FOTO: REPRODUÇÃO 27b3ac5a 349e 4870 a086 304deb2c9993 Vale mesmo a pena pagar R$ 3,65 para ter um conforto desses?

Estrategicamente ou não (pois estamos no Carnaval e a população não tem "forças nem tempo para protestos"), o valor da passagem de ônibus em Maceió passa a ser R$ 3,65 a partir deste domingo (11). Com o acréscimo de 15 centavos no valor atual, o cidadão terá que desembolsar aproximadamente R$ 226,30 se utilizar apenas duas passagens por dia durante o mês (sabemos que na maioria das vezes usamos mais que isso).  

O transporte “público”, que teoricamente deveria ser gratuito, já que você paga o serviço por meio dos impostos, continua sendo alvo de crítica dos usuários, que permanecem, em algumas ocasiões, “mofando” no ponto de ônibus, que muitas vezes não tem sequer proteção para livrá-lo da chuva ou forte sol da capital.

Cidadãos como os que residem no Loteamento Campos dos Palmares, na Cidade Universitária, infelizmente vão ter que desembolsar R$ 3,65, mesmo tendo que andar meio quilometro a pé até o primeiro ponto de ônibus, já que mesmo após diversos abaixo-assinados, os responsáveis continuam negando a implantação de uma linha de integração na região, que evitaria, por exemplo, os constantes assaltos que são relatados pelos moradores que percorrem o trajeto durante o dia. Lá, só pode sair à noite quem for muito corajoso ou tiver transporte próprio.

A situação fica mais complicada se compararmos o aumento da passagem com o do salário mínimo. Dos R$ 17 reais mensais ofertados pelo governo federal, R$ 9,30 serão destinados apenas com gasto de passagem de ônibus se levarmos em conta a mesma situação do começo dessa crítica. Para se ter ideia, em algumas ocasiões vai sair bem mais barato usar o app de carro particular do que o transporte público. Um exemplo disso é quem mora nos residenciais do Benedito Bentes e precisa ir até o Shopping Pátio com amigos. Quatro pessoas juntas saindo dessa localidade até o centro de compras vai desembolsar R$ 14,60 se optarem pelo transporte público, já se chamarem o Uber, por exemplo, que oferece regalias como ar-condicionado, água, bala e o conforto de ir sentado e bem acomodado, o grupo de amigos gastariam apenas R$ 9 reais, R$ 2,25 cada um.

Será mesmo que é justo pagar R$ 3,65 pelo “conforto e comodidade” do atual transporte público de Maceió?