78e82330 0e22 473d 8ba0 320a89152fe5

A Cia teatro da Meia-noite comemorando seus 16 anos de resistência estreia na próxima sexta-feira dia 17 de novembro as 20:00 na sede do SESC Arapiraca, a sua mais nova montagem; “Por um triz” tendo como inspiração e pretexto para construção da nova história a ser contada, fragmentos de textos de Fernando Pessoa e William Shakespeare, que nos ajudou a tecer a proposta dramatúrgica da montagem.

A ideia da nova montagem da Cia, é experimentar espaços não convencionais, sair da caixa cênica, e dos espaços tradicionais se permitindo explorar novas possibilidades, seja no formato estético seja na relação com o espectador. Por um triz se propõe a jogar de forma diferente, se aproximando do espectador, quebrando “as paredes” que separam a atriz do espectador e criando apenas uma “redoma circular invisível” a proposta pretende ser intimista por isso cada sessão da montagem é para apenas 50 ESPECTADORES,

A nova montagem pretende valorizar a narrativa, a oralidade, o texto e a atriz, como os elementos principais do jogo, onde trilha sonora e concepção estética passam a ser coadjuvantes da proposta.

A ideia da concepção cênica do espetáculo “Por um triz” é um mergulho interior na escuridão da alma da personagem, uma atriz se descontruindo, se desnudando das muitas mascaras adquiridas em seus anos de existência, na busca de sua própria face. Ou quem sabe achar algum sentido em “SER e ESTAR” seja no ofício de atriz ou simplesmente enquanto individuo no mundo, numa espécie de peregrinação solo, de imersão profunda, viajando ao seu interior em busca de si mesma. Durante essa viagem ela se perde nas lembranças e memórias de sua trajetória pessoal e profissional, desde os processos de construção de personagens aos seus dramas pessoais da vida que leva. A angustia de ser muitas e não saber mas quem se é ou o que se quer, tampouco no que se tornou a leva ao conflito de se dividir em “variações de si mesma” sem mais compreender o que sentir ou seguir, abandonar a convicção de “ser artista” devido a tantas inseguranças que o ofício lhe apresenta: a insegurança financeira, a ausência de apoio moral ou físico dos que a cercam, as plateias quase vazias, as presenças dos críticos, ou simplesmente, seguir os padrões impositivos da sociedade moderna, seguir em busca da “FELICIDADE”, a personagem vaga num mar de interrogações e inquietações numa espécie de labirinto escuro percorrido, numa viagem imprecisa sem bussola, mapas ou companhia. Ela está só, mas é como se estivesse perdendo a sua própria companhia. Em sua bagagem apenas; máscaras, memórias e incertezas.

Não há tempo cronológico, nem espaço físico que identifique onde a história se passa, ou onde a personagem está durante a passagem da história, talvez a definição de onde ela e o público estejam seria uma espécie de “limbo” (Sentido figurado, significa um lugar onde são deixadas coisas sem valor e que são esquecidas.)

Não dá para prever o que acontecera no percurso, a única coisa que se sabe é que a essência de SER e ESTAR, assim como a própria personagem e suas indagações, tudo está em JOGO, tudo está POR UM TRIZ!

Ficha técnica:
POR UM TRIZ
• TEXTO/ARGUMENTAÇÃO: JULIEN COSTA E KATIA RÚBIA
• ELENCO: KÁTIA RÚBIA
• DIREÇÃO: JULIEN COSTA
• CONCEPÇÃO ESTÉTICA: JULIEN COSTA
• CONCEPÇÃO DE TRILHA SONORA E EXECUÇÃO: IZÁCIO
CRÉDITOS DA FOTOS DE DIVULGAÇÃO:
NYRIUM E JADIR PREREIRA – ACERVO DP 3º EDIÇÃO DO FESTAL – FESTIVAL DE ARTES CÊNICAS DE ALAGOAS

QUANDO?
SEXTA-FEIRA – 17 DE NOVEMBRO
ONDE?
SESC ARAPIRACA AS 20:00 HORAS
QUANTO?
R$ 20,00 Inteira
R$ 10,00 meia-entrada (estudante)
SESSÃO ÚNICA PARA APENAS 50 ESPECTADORES
Maiores informações:
(82) 9610-9170 & (82) 9971-8840