PUBLICIDADE
Home » Notícias » Donata Meirelles pede demissão da Vogue, após polêmica
DEMISSÃO

Donata Meirelles pede demissão da Vogue, após polêmica

Donata Meirelles anunciou hoje à noite sua demissão da direção da Vogue.
“Com tristeza no coração, mas com a coragem e a cabeça erguida que sempre pautaram a minha vida, inicio um novo ciclo e peço demissão da Vogue Brasil, uma publicação que ajudei a construir.

Te amo Vogue, te amo desde jovenzinha. Conte comigo para que você continue fazendo a diferença no mercado editorial e de moda, defendendo e promovendo todas as belezas humanas, como eu continuarei a defender.”

Ela não explica o motivo.

Mas é sabido.

Donata Meirelles  comemorou seu aniversário de 50 anos na última sexta-feira, 8, no Palácio da Aclamação de Salvador, com uma festa que virou polêmica nacional.

Um espaço foi montado para os convidados tirarem fotos ao lados de mulheres negras vestidas de roupas e turbantes brancos, posicionadas em volta de uma grande cadeira, como se fosse de coronéis de engenho. Cena que para muitos internautas remeteu a escravidão.

A festa recebeu muitas críticas, inclusiva da escritora e ativista Djamila Ribeiro. “Essa festa tratou pessoas negras de maneira muito desrespeitosa, remetendo a uma herança colonial. O que me incomoda em tudo isso é a conivência. As pessoas que lá estavam agem como se nada tivesse acontecido”, disse. Também acrescentou: “Além da dona da festa, eu acho que as pessoas que estavam lá também devem ser responsabilizadas, sobretudo as que se dizem anti-racista. Passou da hora da branquitude pensar e se repensar. Não dá para compor com o pacto narcísico da branquitude. É muito violento. O que aconteceu não foi meramente uma festa. É o reforço de uma estrutura colonial. ”

Pedido de desculpas

Donata Meirelles usou sua conta no Instagram para pedir perdão. Também explicou que as mulheres que foram interpretadas como escravas vestiam trajes de baiana. “Como era sexta-feira e a festa foi na Bahia, muitos convidados e o receptivo estavam de branco, como reza a tradição. Mas vale também esclarecer: nas fotos publicadas, a cadeira não era uma cadeira de Sinhá, e sim de candomblé, e as roupas não eram de mucama, mas trajes de baiana de festa”, postou.


/* ]]> */